Precisamos falar sobre livros eróticos, um gênero que causa amor e ódio

Falar sobre livros eróticos é necessário. Falar sobre SEXO é necessário. De diversas maneiras e meios para que a informação chegue a todos. E por que falar de livros eróticos é algo que incomoda a muitos?

Os livros eróticos existem há muito tempo, mas nunca estiveram tão visíveis quanto depois do enorme sucesso 50 Tons de Cinza, da autora E.L.James. Depois desse choque na sociedade que até então, santíssima conservadora, não tinha coragem de admitir que livros eróticos agradam a quem os lê e (tá tudo bem!) não é um bicho de sete cabeças que desvirtua suas mentes para a depravação.

Aliás, que mal pode haver nas leituras de histórias eróticas? Só vejo coisas boas, afinal, histórias desse tipo sempre me deixam com a libido aflorada, minha imaginação vai além do que conheço e isso só me ajuda a melhorar minhas próprias relações sexuais. Nossa, quando eu li 50 Tons de Cinza, meu marido e eu vivemos uma nova lua de mel, e como foi bom. E nem me submeti ao que acontece no livro, apenas fiquei com a libido acesa com a leitura.

Que benefícios a leitura de livros eróticos podem trazer

Os livros eróticos trazem a tona experiências (fictícias ou não) que esclarecem muitas coisas em relação a sexo e aos relacionamentos íntimos. Trazem informações sobre o corpo das mulheres, como são, do que gostam e o que é necessário para fazê-las sentir orgasmos. Claro que não de forma profissional, para isso existem cursos na área, mas que servem como guia, para a busca de mais informações.

Como herança de um tempo em que para mulher não era permitido gozar, sim, esse tempo existiu — criaram uma ideia de que orgasmo não era coisa de mulher honrada —, há um preconceito sobre a sexualidade da mulher. É claro que atualmente as coisas estão melhoradas, mas, ainda assim, não tanto quanto o necessário para que todas as mulheres estejam gozando: livres para se permitirem sentir tudo que um sexo de qualidade pode lhes proporcionar.

A mentalidade do povo precisa mudar, inclusive, das próprias mulheres. Elas precisam estar abertas a aprenderem como o próprio corpo funciona, do que existe ao seu alcance para melhorar suas relações e sua qualidade de vida. E o prazer sexual tem papel importante nisso.

Os livros eróticos são uma ótima ferramenta para ajudar a despertar sensações que abrem a mente dos seus leitores, principalmente das mulheres, para novas experiências. Existem várias linguagens dentro do gênero que podem agradar desde os leitores iniciantes (que não estão acostumados com alguns métodos e linguagem), até os mais arrojados dentro desse tipo de literatura.

Quem lê livros eróticos

A maioria dos leitores de livros eróticos é mulher. Isso porque, nós, mulheres, estamos abrindo mais nossas mentes sobre o que fazer, o que queremos e, estamos dizendo isso em voz alta. Seja lendo um livro erótico, lendo artigos com informações verídicas e de qualidade e/ou, fazendo cursos sobre o assunto. A conscientização sobre o poder feminino, sobre a liberdade de expressão nos leva a crer que podemos fazer qualquer coisa, inclusive consumir conteúdos eróticos, apossar-nos do nosso corpo e descobrir as melhores formas de sentir prazer.

Mas, há uma grande parcela de leitoras e leitores que não curtem ler livros eróticos (e tá tudo beleza!), mas que não respeitam as pessoas que gostam. A literatura erótica é esnobada, não só por alguns leitores ávidos, mas pela imprensa e por críticos da área. Há muitos que até desconsideram esse gênero como sendo literatura. Dizem que livros eróticos é pornografia para mães, que quem lê esses livros são mulherzinhas mal amadas, solitárias, e outros absurdos. Um puritanismo, uma hipocrisia que nem é velada: é escancarada mesmo.

Mas, a verdade é que tem muito homem que lê esse gênero também, e ao contrário das mulheres, são medrosos demais para falar que leem. Todos — a grande maioria — que criticam, devem ter uma vida sexual perfeita demais para ser tão fechada às novas possibilidades. Aham, quem acredita nisso?

O que desagrada nos livros eróticos

Os elementos que desagradam leitores na leitura de livros eróticos são variados, por exemplo:

BDSM (sigla para Bondage, Disciplina, Dominação, Submissão, Sadismo e Masoquismo) com personagens, em sua maioria mulheres, submissas.

Os relatos de muitas cenas sexuais, podem parecer exagerados, tanto na frequência em que acontecem numa história, quanto na forma como os personagens sentem o que sentem.

O sexo. Muitas vezes só por conter esse assunto sendo praticado na história, independentemente de como, já assusta. Já se revela o preconceito.

A liberdade de gozar por estímulos das palavras

A liberdade que os autores imprimem nos personagens de livros eróticos, incomoda. Imagina para uma mulher, conservadora, que só fez o papai e mamãe com o marido, ler uma cena de sexo grupal, com troca de casais e orgasmos sendo liberados a cada novo parágrafo. Ou o marido dessa mulher, lendo a mesma cena e descobrindo uma coisa chamada clitóris, da qual ele nunca ouvira falar, que fez uma mulher gritar em êxtase. Você acha que isso choca? Estimula a curiosidade?

Bom, a liberdade de gozar por estímulo da palavra é real para quem lê livros eróticos. Digo isso, não é para chocar, para surpreender, nem para desmerecer a vida sexual de ninguém. Apenas para dizer que não é porque você não conhece que não existe. E nem que você não possa conhecer. Não é como se ao ler um livro erótico, sua vida sexual se transformará totalmente. Embora isso possa acontecer depois de muitas leituras, estudos e prática no assunto, as histórias dos livros irão apenas te despertar, abrir a sua mente para coisas novas.

Você que está lendo esse artigo pode não gostar de ler livros eróticos, e está tudo bem! O tanto de gênero que existe no meio literário está aí justamente, para todos os gostos. Cada um vai gostar e se identificar com aquilo que lhe agradar mais. Apenas respeite o gosto do próximo e sempre que possível, se permita experimentar coisas novas, que possam melhorar sua autoestima, e prazerosas. Permita-se conhecer, sem frescura, sem vergonha, sem medo.

Além da trilogia 50 Tons de Cinza da autora E.L James, deixarei aqui algumas dicas de autores de livros eróticos que possam te interessar, caso ainda não tenha lido.

Para começar, Nana Pauvolih uma autora nacional maravilhosa. Tem também as autoras, Sylvia DayAbbi GlinesMegan MaxwellVi Keeland e Christina Lauren. Destas eu conheço algumas obras, mas tem muito mais.

Lembrando sempre, que a classificação indicativa dos livros deve ser respeitada, ok!